DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA: O QUE É SER NEGRO NO BRASIL?

DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA: O QUE É SER NEGRO NO BRASIL?


Artigo de autoria da psicóloga Paula Gabriela de Souza Pinto

Por Paula Gabriela de Souza Pinto (CRP 01/20527)*

Publicado originalmente em 20/11/2019

Nós, pessoas negras, temos muitas formas de estar no mundo - todos nós temos. No entanto, vivemos contextos de preconceito, desigualdade e racismo que traduzem uma história de dor. Mesmo assim, há pessoas que não enxergam ou preferem não enxergar essa dor.

Hoje, 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, é comum ouvirmos alguns questionamentos: “não precisamos de consciência negra, mas de consciência humana”, “somos todos iguais”, “só existe uma raça, a humana”. Embora muitos dados acerca da desigualdade racial no Brasil já tenham sido apresentados, não há dúvida, embora haja recusa por parte da sociedade, de que a população negra viva nas piores condições. Os indicadores são os mais desfavoráveis em saúde, educação, moradia, trabalho, representatividade.

Há características da nossa cultura que moldam o racismo no nosso país. “Se nós não temos um problema racial, para que discuti-lo?”. Nós continuamos vivendo a peculiaridade do racismo à brasileira, um racismo sem racistas. Responda para si mesmo de forma honesta duas perguntas: “O Brasil é um país racista?” e, por último, “Você é racista?”. A resposta invariável para a segunda é “não”.

Faz parte do desafio de enfrentar o racismo - e promover a igualdade - reconhecer sua existência. Na Psicologia, nós aprendemos desde muito cedo que a escuta é nossa principal ferramenta de trabalho. Aprendemos que, na prática psicológica, a escuta não é como uma escuta comum, mas como um ouvir diferenciado, pois quem escuta e quem fala se abre à experiência transformadora e ambos produzem novos significados que favorecem novos modos de sentir, pensar e agir.

Cabe a nós, psicólogas e psicólogos, enfrentarmos o mito da democracia racial e tantas outras crenças para que possamos promover uma Psicologia engajada na promoção da igualdade. Se nosso maior instrumento é a escuta, então precisamos ser sensíveis e qualificar a escuta que fazemos, pois o racismo produz sofrimento psíquico.

No contexto histórico, político e ideológico que estamos vivendo, em vigor dos direitos humanos, enquanto ciência e profissão, a Psicologia tem um papel decisivo para igualdade étnico-racial. Precisamos pensar qual o nosso lugar no enfrentamento ao racismo. Nós temos um lugar e nos cabe, enquanto profissionais de Psicologia, pensar como vamos adequar a nossa prática e conhecimento, para que práticas discriminatórias sejam revistas e superadas.

Por fim, termino essa breve reflexão com as palavras de Cuti, em seu testemunho em forma de poesia.

 

Quebranto

 

às vezes sou o policial que me suspeito

me peço documentos

e mesmo de posse deles

me prendo

e me dou porrada

 

às vezes sou o porteiro

não me deixando entrar em mim mesmo

a não ser

pela porta de serviço

 

às vezes sou o meu próprio delito

o corpo de jurados

a punição que vem com o veredicto

 

às vezes sou o amor que me viro o rosto

o quebranto

o encosto

a solidão primitiva

que me envolvo no vazio

 

às vezes as migalhas do que sonhei e não comi

outras o bem-te-vi com olhos vidrados

trinando tristezas

 

um dia fui abolição que me lancei de supetão no

espanto

depois um imperador deposto

a república de conchavos no coração

e em seguida uma constituição

que me promulgo a cada instante

 

também a violência dum impulso

que me ponho do avesso

com acessos de cal e gesso

chego a ser

 

às vezes faço questão de não me ver

e entupido com a visão deles

me sinto a miséria concebida como um eterno

começo

 

fecho-me o cerco

sendo o gesto que me nego

a pinga que me bebo e me embebedo

o dedo que me aponto

e denuncio

o ponto em que me entrego.

 

às vezes!...

 

*Paula Gabriela é psicóloga e mestre em Estudos Étnicos e Africanos pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

 

Acesse esse e outros artigos clicando aqui.


<< Ver Anterior Ver Próximo >>