NOVEMBRO: MÊS DA CONSCIÊNCIA NEGRA

NOVEMBRO: MÊS DA CONSCIÊNCIA NEGRA


Toda semana, traremos provocações aos profissionais da região sobre o tema relações étnico-raciais

Neste mês em que se celebra o Dia Nacional da Consciência Negra, o Conselho Regional de Psicologia do Distrito Federal (CRP 01/DF) faz um convite à reflexão sobre os compromissos firmados pela Psicologia na defesa dos direitos humanos. Toda semana, traremos provocações aos profissionais da região sobre o tema relações étnico-raciais e iniciamos esta campanha discutindo sobre a importância do 20 de novembro no Brasil.

Por que um Dia da Consciência Negra?

A escravidão negra organiza ainda hoje as estruturas socioeconômicas do Brasil. Celebrado em 20 de novembro, o Dia Nacional da Consciência Negra relembra a morte de Zumbi dos Palmares, símbolo da luta contra a escravidão negra e reivindicação por direitos de descendentes de povos escravizados.

A data tem como objetivo promover a reflexão sobre a vida do povo negro brasileiro, os impactos do histórico de escravidão e a influência da matriz africana no desenvolvimento da identidade cultural brasileira.

#PraCegoVer: Na imagem, há fotos de mãos sobre uma mesa onde está o Estatuto da Igualdade Racial, uma mulher, uma criança e vários rostos de pessoas negras. Na parte de baixo, a marca gráfica do Conselho Regional de Psicologia do Distrito Federal.

Relações étnico-raciais: o que a Psicologia tem a ver com isso?

Ao considerar o sofrimento causado pela discriminação, a Resolução CFP n° 018/2002 destaca o dever de psicólogas e psicólogos na reflexão sobre o preconceito e na atuação para a eliminação do racismo.

Os profissionais de Psicologia não devem se utilizar de instrumentos ou técnicas psicológicas para criar, manter ou reforçar preconceitos, estigmas, estereótipos ou discriminação racial. Caso tomem conhecimento de algum psicólogo ou psicóloga adotando essas práticas, devem apresentar denúncia ao Conselho Regional de Psicologia de sua região.

#PraCegoVer: Imagem de uma mulher negra em contexto de reflexão. No canto direito inferior, a marca gráfica do Conselho Regional de Psicologia do Distrito Federal.

Normativos e referências técnicas para a atuação das psicólogas e dos psicólogos em questões relativas a raça, território e tradição

Resolução CFP nº 018/2002 - estabelece normas de atuação para as psicólogas e os psicólogos em relação ao preconceito e à discriminação racial;

Relações raciais: referências técnicas para a atuação de psicólogas(os) | Ed. 2017;

Referências técnicas para atuação de psicólogas(os) em questões relativas à terra | Ed. 2019;

Referências técnicas para atuação de psicólogas(os) com povos tradicionais | Publicação sendo concluída após consulta pública no Sistema Conselhos de Psicologia. Versão preliminar disponível em https://bit.ly/2q60Gus.

Todos os materiais também estão disponíveis para download no site do CRP 01/DF: www.crp-01.org.br.

Sugerimos ainda a leitura dos textos:

"As políticas de ações afirmativas e as fraudes: uma reflexão sobre as iniciativas do Estado e sua eficácia inclusiva", parte da publicação "Políticas sociais: acompanhamento e análise 2019" do Ipea. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/…/190821_boletim_bps_26_igualdade_ra…

"Não sou tua nega! Gênero, Raça e Afirmação no discurso comum": https://parlatoriomundi.wordpress.com/2018/03/25/afirmacao/

"PRETO SOUL – Falando sobre indivíduo e singularidade!": https://parlatoriomundi.wordpress.com/…/preto-soul-falando…/

#PraCegoVer: Na imagem, com fundo de tapeçaria, estão as capas das publicações do Sistema Conselhos de Psicologia citadas.

Psicologia e o enfrentamento ao racismo institucional

A Resolução CFP n° 018/2002 destaca, em seu artigo 5º, que a psicóloga e o psicólogo não devem colaborar com eventos ou serviços que sejam de natureza discriminatória ou contribuam para o desenvolvimento de culturas institucionais discriminatórias.

A defesa dos direitos humanos e a promoção da diversidade étnico-racial são pressupostos do exercício da profissão.

#PraCegoVer: Na imagem, com fundo de tapeçaria e predominância das cores vermelho, amarelo e verde, há silhuetas de uma mulher e de um homem negros de frente um para o outro.

Psicologia, subjetividade e ações afirmativas
 
A história da população negra no Brasil é marcada por resistência e luta pela valorização de sua identidade.
 
Representatividade importa e é fundamental para os processos de subjetivação da população majoritariamente negra no Brasil.
 
Psicólogas e psicólogos devem trabalhar para que essa população tenha seus espaços de participação garantidos nos meios de comunicação, nas esferas de deliberação política, nas organizações e nos equipamentos voltados ao lazer e à promoção de saúde.
 
#PraCegoVer: Na imagem, com fundo de tapeçaria e predominância das cores vermelho, amarelo e verde, há uma mulher negra em ambiente organizacional segurando um balão que indica fala ao lado de um homem branco e grisalho, ambos utilizando computador. No canto inferior direito, está a marca gráfica do Conselho Regional de Psicologia do Distrito Federal.

Data de Início: 08/11/2019 Horário de Início: 01:00
Data de Fim: 30/11/2019 Horário de Fim: 12:00
Localização: SRTVN Quadra 701, Ed. Brasília Rádio Center, Ala A, 4° Andar, Sala 4024 - Asa Norte - Brasília/DF