Comissão Especial LGBT prestigia lançamento do Calendário Drag 2018

25443071_472462743148404_7247402461455826645_n

Material produzido por coletivo de artistas busca dar visibilidade ao tema diversidade e apoiar instituição que acolhe membros da comunidade LGBT em Brasília

Os membros da Comissão Especial LGBT (CLGBT) do Conselho Regional de Psicologia do Distrito Federal (CRP 01/DF), Thiago Magalhães e Felipe de Baére, marcaram presença esta semana no lançamento do Calendário Drag 2018, iniciativa pioneira no Brasil que contou com a colaboração de 10 fotógrafos e 18 modelos drag queens ao longo de mais de dois meses de trabalho.

“Essa é uma iniciativa que tem o apoio de várias entidades, incluindo o Conselho Regional de Psicologia do Distrito Federal. Todo o trabalho foi voluntário, desde os fotógrafos às artistas drag queens”, observa a drag queen Ruth Venceremos. “O objetivo é trazer visibilidade para a arte drag, expressão de diversidade e algo que vem sendo atacado por setores mais conservadores da sociedade”, completa.

“É fundamental que os conselhos regionais e o Conselho Federal de Psicologia se posicionem em relação à temática da diversidade sexual, sobretudo no que se refere à despatologização das identidades trans e os ataques à Resolução CFP nº 01/99″, defende o coordenador da CLGBT, Thiago Magalhães. “A arte Drag Queen é uma importante expressão da cultura LGBT. As drags fazem uma ponte fundamental entre a nossa cultura LGBT e a população em geral. Por meio da arte, elas rompem as barreiras e atingem parcelas da nossa sociedade que não têm afinidade com nossa cultura LGBT”, acrescenta. “O apoio do CRP 01/DF ao calendário é uma das formas que encontramos para valorizar e promover a diversidade e nos posicionar diante dos ataques fundamentalistas que a Psicologia brasileira está sofrendo”, completa.

Em cada mês, o calendário traz uma foto referente a data comemorativa ou de conscientização social. O valor arrecadado com as vendas será doado à Casa Rosa, instituição de Brasília que acolhe pessoas LGBT que são expulsas de casa por causa da sua orientação sexual e/ou identidade de gênero.